Connect with us

Brasil

Aos 46 anos mulher descobre que o “pai” a sequestrou quando ela tinha apenas dois anos

Publicado

em

Uma cuidadora que mora em Cariacica, na Grande Vitória, descobriu aos 46 anos de idade que o homem que acreditava ser seu pai é, na verdade, a pessoa que a sequestrou quando ela tinha apenas dois anos, no interior de São Paulo. A descoberta veio só depois da morte do homem, quando Simone Lopes Garcia resolveu investigar a própria história.

Simone agora procura pela mãe biológica, Neide Aparecida Pereira, que ela sabe que hoje tem 66 anos, caso esteja viva.

“O meu sonho é poder abraçar ela, se ela ainda estiver conosco. Mas pelo menos vou ficar feliz de descobrir a verdade”, disse.

A investigação de Simone

Simone contou que, depois da morte de Pedro Antônio Garcia em 2006, começou a investigar dúvidas que sempre teve sobre a família, por conta própria. Durante toda a vida, ouviu do pai que a mãe havia morrido, mas nunca acreditou totalmente nisso. Também tinha dúvidas sobre antecedentes criminais dele, porque era um homem muito violento e que a agredia.

“Sempre tive o sonho de ter minha mãe. Como meu pai era uma pessoa muito agressiva, já foi preso aqui por agressão, eu queria saber mesmo como tinha sido, se minha mãe tinha morrido mesmo. Fui atrás do atestado de óbito dela e nunca encontrei”, contou.

Ela resolveu procurar pela ficha criminal de Pedro. E foi a madrasta quem contou que ele já havia morado no município de Tanabi, interior de São Paulo.

“Liguei pra delegacia de lá, e me disseram que tinha um crime ligado a ele que tinha gerado um processo, mas me disseram pra ligar pro fórum. Uma pessoa desarquivou o processo a meu pedido. Acabei descobrindo que não era um processo de uma briga qualquer, por exemplo, era de sequestro, do meu sequestro”, contou.

O sequestro

No processo no Fórum de Tanabi, Simone descobriu que Pedro, na verdade, foi casado com uma prima do pai biológico dela.

Na ação, ela encontrou o boletim de ocorrência registrado pela mãe biológica de Simone, Neide Aparecida Pereira, na Polícia Civil. Ela registrou que, no dia 7 de abril de 1975, foi buscar lenha nas proximidades de casa e, ao retornar, notou a ausência de Pedro e da filha Simone, que na época tinha dois anos.

Foto: Reprodução / TV Gazeta

Depois de fugir da cidade de Tanabi levando Simone, Pedro passou por cidades de São Paulo e Minas Gerais. Visitava parentes da ex-mulher e repetia a mesma história: dizia que a esposa tinha morrido e apresentava Simone como filha do casal.

Ele foi para o Espírito Santo com Simone ainda em 1975, onde se casou e teve mais quatro filhos. Só em 1977 ele registrou a menina com o sobrenome dele.

Simone tem hoje duas certidões de nascimento. Na primeira, foi registrada como Simone Aparecida Pereira dos Santos. Na segunda, Pedro mudou o sobrenome dela para Lopes Garcia. Para isso, ele teve ajuda da ex-sogra.

“Tinha um conflito entre o meu pai e a família da mulher que eu acreditava que era a minha mãe, eles não se entendiam e eu sofria agressões em casa. A minha avó queria me pegar para criar, porque acreditava que eu era filha da filha dela, mas éramos afastadas. Ele ganhou a minha guarda na Justiça, e a última vez que essa minha avó me viu foi quando eu tinha 15 anos”, contou.

Simone também contou que era bastante agredida fisicamente pelo pai e pela madrasta. Também era abusada sexualmente por um filho de Pedro, 12 anos mais velho que ela, que um tempo depois ela descobriu que era adotivo.

“Ele abusou de mim dos quatro aos nove anos. Quando eu fiz nove anos, um amigo do meu pai foi lá em casa e perguntou se alguma filha poderia morar na casa dele, para ajudar a cuidar dos filhos dele, brincar, e eu disse que queria ir só para fugir daqueles abusos. Morei na casa dessa família até meus 14 anos e saí porque quase sofri um abuso lá também”, lembrou.

O sonho de reencontrar a mãe

Simone sabe que a mãe Neide já não mora mais em Tanabi e que hoje teria 66 anos. Ela conta com a ajuda de uma organização não governamental (ONG) para encontrá-la.

“No relato do Ministério Público que está no processo diz que minha mãe sofreu muito, que me procurou em muitas cidades. Ela era uma pessoa muito humilde, sem condições financeiras, então eu quero sim poder abraçar ela de novo”, disse.
Uma das filhas da cuidadora contou que tem dado bastante apoio emocional a ela nesse momento.

 

Foto: Oliveira Alves / TV Gazeta

“É chocante você saber que foi criada a vida inteira por um homem que você acreditava que era seu pai e de repente não é seu pai, que ele te sequestrou, que te tirou da sua mãe. Pra ela é horrível”, disse a filha Gabriela Elen Lopes.

O processo movido contra Pedro foi encerrado um ano depois do sequestro por decisão da Justiça. A mãe biológica de Simone tinha mais dois filhos, que ela também pretende reencontrar.

“Quando eu sumi, ela tinha apenas 22 anos, então acredito que ela tenha mais filhos até. Quero encontrar todo mundo”, contou.

G1

Leia Mais
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =

Amazonas

Grupo de empoderamento ajuda mulheres em todo o Brasil

Publicado

em

Mais de 4 mil integrantes do grupo “Virada Feminina” atuam ativamente contra exploração sexual, violência doméstica, fomentando o empreendedorismo e o fortalecimento feminino

Criado há quatro anos pela gaúcha Marta Livia Suplicy, o grupo de mulheres “Virada Feminina”, já tem mais de 4 mil integrantes e oferece uma rede de apoio a mulheres em todo o Brasil. O objetivo é ajudar e atuar ativamente em qualquer lugar onde uma ou mais mulheres precisem de ajuda. No mês onde a Lei Maria da Penha comemora 14 anos, ações como essa nos ajudam a conquistar cada vez mais espaço na sociedade e a virar o jogo em temas como o combate à violência contra a mulher, empregabilidade, empreendedorismo e empoderamento feminino.

– Nós não somos um grupo de discussão, somos um grupo de ação. Todas são voluntárias e trabalham umas pelas outras. Todo dia recebemos um número enorme de denúncias de violência, abuso sexual. O que fazemos é tentar agir onde as mulheres precisam de apoio. Me perguntam sempre o que você ganha com isso? Evolução feminina e uma classe fortalecida! – explica a representante empossada pela presidente nacional do Virada Feminina, Marta Livia Suplicy.

A rede de apoio conta com mulheres de várias áreas, são delegadas, psicólogas, jornalistas, médicas, dentistas, escritoras, empresárias, artistas, entre outras. Elas possuem grupos de trabalho em estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Espírito Santo, Amapá, Ceará.

– Precisamos dar visibilidade a mulheres invisíveis. Imagina uma mulher que faz uma denúncia de violência, mas a delegada leva quatro horas de barco para chegar até lá. Isso acontece por esse Brasil. Temos lideranças até na Ilha do Marajó, porque a ajuda precisa chegar até lá! Queremos combater essa cultura machista e criar mais políticas públicas, ter mulheres em cargos mais altos. Sororidade não é moda, precisamos nos colocar no lugar do outro – explica Marta.

Para as mulheres que queiram ajudar ou que também precisem de ajuda, a página do grupo no Instagram é @viradafeminina_oficial. O grupo também promove debates nas redes sociais, como o que vai acontecer nesta quarta-feira (12/08), às 20h, para falar de histórias de superação feminina, com a representante Marta Livia Suplicy e a jornalista de comportamento feminino, Kizzy Bortolo.

Leia Mais

Amazonas

Cileide Moussallem será a representante do Movimento Virada Feminina no Amazonas

Publicado

em

Brasil – O Movimento Feminino Global , intitulado de Virada Feminina, acaba de ganhar uma representante no Estado do Amazonas. Cileide Moussallem Rodrigues, empresária da Comunicação no Estado e idealizadora do Portal de Notícias CM7, é a mais nova representante do Virada Feminina no Amazonas.

Com alcance mundial e com notável ações de políticas sociais voltadas para as mulheres, o movimento vem crescendo e ganhando cada vez mais adeptos e incentivadores. Com atuação forte no combate à exploração sexual e discriminação e violência contra a mulher, a Instituição Virada Feminina conta com grandes expoentes no Brasil e no mundo.

Personalidades como a Primeira Dama Brasileira, Sra. Michele Bolsonaro, apoia o Movimento Virada Feminina, e hoje é considerado o movimento feminino que mais cresce no País e no mundo.

Feliz e sentindo-se reconhecida pelo seu papel no âmbito da causa feminina, a empresária amazonense Cileide Moussallem agradeceu a confiança depositada, e prometeu honrar com muito trabalho e dedicação o posto, agora ocupado.

O convite partiu da presidenta nacional, Dra. Martha Lívia e da ex-deputada Fátima Pelais. Cileide, que atua a muitos anos em fazer o bem através de doações, agora terá o apoio de uma rede nacional de ações em favor dos Direitos das Mulheres.

fonte: https:///portalcm7.com

Leia Mais

Brasil

Vaca dá à luz filhotes trigêmeos no norte da Bahia; caso é considerado raro entre especialistas

Publicado

em

Nascimento ocorreu em fazenda localizada em distrito da cidade de Senhor do Bonfim. Filhotes são fêmeas, caso também considerado raro pelos veterinários.

Uma vaca deu à luz três filhotes em uma fazenda localizada no distrito de Quicé, no município de Senhor do Bonfim, no norte da Bahia. O nascimento das bezerras ocorreu na primeira semana deste mês de janeiro.

De acordo com o dono da fazenda, a fecundação da vaca que pariu as bezerras aconteceu por meio de inseminação artificial, o que pode ter super estimulado os ovários da vaca, fazendo com que ela tivesse tripla ovulação.

Os filhotes nasceram em três placentas diferentes, são trivitelinos. A vaca, que é meio sangue da raça girolando, foi inseminada com o sêmen de touro holandês.

Segundo o veterinário da fazenda, o nascimento de trigêmeos e trivitelinos é raro. Além disso, o fato delas serem três fêmeas, o que também é raro, é considerado bom pelos especialistas pois a chance de serem hermafroditas é baixa, já que não há interferência de hormônios masculinos.

O veterinário disse que na Bahia, o nascimento de trigêmeos não é uma condição comum de acontecer e o parto de gêmeos é mais frequente.

O dono da fazenda onde nasceram as bezerras possui 500 animais, dessas, 170 são vacas de lactação que produzem por dia 3.500 litros de leite.

Leia Mais

Mais lidas