Connect with us

Política

Bomba! Irmão do deputado Wilker Barreto recebeu através da ONG Poceti mais R$ 41 milhões

Publicado

em

Manaus –  Matéria que foi publicada pelo D24, o irmão do deputado Wilker Barreto foi investigado quando ainda era presidente da ONG . Veja na integra a matéria completa.

Segundo o TCU, ONG não tem capacidade para trabalhar com a saúde indígena no Amazonas – 3 de fevereiro de 2012.

Após a recomendação de redução dos recursos para a Fundação Poceti, em 2010, por falta de pessoal qualificado para oferecer serviço de saúde indígena, a Organização Não Governamental (ONG) recebeu mais de R$ 15 milhões no ano passado, de acordo com dados do Portal da Transparência do governo federal.

A ONG firmou convênio com Fundação Nacional da Saúde Indígena (Funasa) para prestar serviços médicos aos povos indígenas do Amazonas até outubro de 2011.

No mês de novembro do ano passado, o Tribunal de Contas da União (TCU) apresentou relatório de auditoria estabelecendo multas para os funcionários da Funasa responsáveis pelo convênio com a Fundação Poceti. As multas variavam entre R$ 3 mil e R$ 4 mil e foram aplicadas a Pedro Gonzaga do Nascimento, Lázaro Sales de Araújo, Salomão Marialva Batista, Alexsandre Teixeira Amazonas, José Mário Trindade Carneiro e Francisco das Chagas de Oliveira Pinheiro.

Atualmente, a Fundação Poceti é investigada em três inquéritos pelo Ministério Público Federal (MPF). De acordo com a assessoria do MPF, os promotores não se manifestam sobre inquéritos que ainda estão em etapas de diligências e coleta de informações.

Nos quatro anos de convênio com a Funasa,  a Fundação Poceti recebeu R$ 41 milhões. Em outubro de 2011, último mês de contrato, a ONG chegou a receber o maior repasse: R$ 8,291 milhões.

De acordo com o TCU, a Fundação Poceti era responsável pelo Distrito  Sanitário Especial Indígena de Manaus (Dsei-Manaus) sem que apresentasse “qualificação técnica e as condições mínimas para consecução do objeto proposto, funcionando como mera intermediadora dos recursos, cujas despesas de manutenção são custeadas pela concedente, onerando assim os gastos da Administração Pública”, cita o relatório.

Segundo o documento, a equipe de auditoria verificou que a Fundação Poceti não possuía quadro técnico especializado e não havia realizado nenhum trabalho na área de saúde indígena antes da assinatura dos convênios com a Funasa.

Justificativa

De acordo com o atual presidente da Fundação Poceti, Wilame de Azevedo Barreto, tanto o relatório do TCU quanto os inquéritos abertos no MPF são decorrentes de uma fiscalização realizada em ONGs de todo o País. “Durante o convênio apresentamos 30 prestações de contas, sendo todas aprovadas. A Fundação Poceti nunca recebeu recursos diretos do governo federal, tudo era repassado via Funasa e era específico para o pagamento de enfermeiros, médicos e demais trabalhadores da área de saúde”, explicou.

Segundo Barreto, a falta de recursos humanos ocorre pela dificuldade em encontrar médicos ou enfermeiros dispostos a trabalhar em áreas indígenas. “Eles têm que passar períodos em reservas indígenas no meio da floresta. Poucos estão dispostos a este tipo de trabalho. Ainda assim, o serviço prestado pela Fundação cumpriu o seu dever na saúde indígena no Amazonas, enquanto o convênio com Funasa esteve em vigor”, ressaltou.

O vereador e irmão do atual presidente da Fundação Poceti, Wilker Barreto, criticou que a mudança realizada pela Funasa na política de saúde indígena neste ano pode inviabilizar o serviço em todo o País. “Atualmente, temos poucas ONGs para cobrir todas as terras indígenas do País. Se houver problema de prestação de contas em alguma unidade, isso irá comprometer os demais Estados”, alertou o vereador.

O DIÁRIO entrou em contato com a Dsei-Manaus e foi informado que qualquer dado sobre os convênios só poderia ser fornecida pela sede da Funasa em Brasília. A reportagem tentou contactar o órgão central no Distrito Federal, mas não obteve sucesso.

Matéria do Portal D24 neste link https://d24am.com/noticias/fundacao-poceti-recebeu-rs-15-mi-mesmo-sem-qualificacao/

Veja o que os vereadores fizeram e foi desaprovado pelo então vereador Wilker Barreto.

Materia do Portal Radar Amazônico neste  >>>>>> veja

link https://radaramazonico.com.br/vereadores-derrubam-parecer-contrario-e-projeto-que-proibe-o-repasse-de-dinheiro-publico-a-ongs-de-politicos-e-mantido/

FONTE DE INFORMAÇÕES PORTAL D24 E RADAR AMAZONINO 

Manaus

Sobrinho de Braga publica fake news contra prefeitura após perder contrato de R$ 19 milhões por ano

Publicado

em

Depois de ver naufragar suas intenções de morder um contrato de R$ 19 milhões no apagar das luzes do governo de Arthur Neto (PSDB), o dono do Grupo Diário de Comunicação, Cyiro Batará Anunciação, está deliberadamente utilizando seus jornais e canal de televisão para propagar mentiras e factóides na busca de desestabilizar a atual administração do prefeito David Almeida.

Ao assumir a Prefeitura de Manaus, David Almeida, mandou suspender todas as licitações e contratações milionárias deixadas no gatilho por Arthur Neto para alguns parceiros.

Uma delas foi o pregão eletrônico inventado pela ex-titular da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Kátia Schweickardt, que pagaria mais de R$ 19 milhões por ano para Cyro Batará “transmitir” as aulas das escolas municipais para os alunos via Internert.

O detalhe da cruzeta é que a Prefeitura de Manaus, por meio da Semed já possui um termo de cooperação técnica com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) que permite a realização do mesmo serviço a custo ZERO para os cofres do município até 31 de dezembro de 2021.

Logo, Cyro Batará com o beneplácito do então prefeito Arthur Neto, pegaria mais de R$ 19 milhões por ano para fazer o serviço que não custa nada para a Semed executar via Seduc. Genial, né não mano!?

O curioso nessa história toda é a participação do Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) que na última quinta-feira (15), com concordância do presidente Conselheiro Mário de Mello, resolveu abrir uma “apuração” contra a decisão da prefeitura de suspender o contrato.

Ou seja, pro TCE há algo suspeito na decisão da Prefeitura de Manaus em manter a parceria com a Seduc a custo zero em vez de contratar por R$ 19 milhões a empresa de um empresário com bons contatos no judiciário.

A relatoria do processo aberto pelo TCE está nas mãos do conselheiro Érico Desterro, tido entre os membros da Corte como legalista e de posições fortes. Agora é esperar se ele comprará a briga do empresário ou do bolso do contribuinte de Manaus.

Leia Mais

Manaus

Após perder contrato milionário na Prefeitura, sobrinho do Braga ataca David Almeida com fake News

Publicado

em

Após perder contrato de R$ 19 milhões por ano com o fim da gestão de Arthur Neto (PSDB), o dono do Grupo Diário de Comunicação, Cyiro Batará Anunciação, está utilizando seus jornais e canal de televisão para atacar com mentiras a atual administração de David Almeida.

Ao assumir a Prefeitura de Manaus, David Almeida, mandou suspender todas as licitações e contratações deixadas por Arthur Neto. Uma delas foi o pregão eletrônico inventado pela ex-titular da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Kátia Schweickardt, que pagaria mais de R$ 19 milhões por ano para Cyro Batará “transmitir” as aulas das escolas municipais para os alunos via internet.

O detalhe é que a Prefeitura de Manaus, por meio da Semed já possui um termo de cooperação técnica com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) que permite a realização do mesmo serviço sem custos para os cofres do município até 31 de dezembro de 2021.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) na última quinta-feira (15), com concordância do presidente Conselheiro Mário de Mello, resolveu abrir apuração contra a decisão da prefeitura de suspender o contrato.

Ou seja, pro TCE há algo suspeito na decisão da Prefeitura de Manaus em manter a parceria com a Seduc a custo zero em vez de contratar por R$ 19 milhões a empresa de um empresário com bons contatos no judiciário.

A relatoria do processo aberto pelo TCE está nas mãos do conselheiro Érico Desterro, tido entre os membros da Corte como legalista e de posições fortes. Agora é esperar se ele comprará a briga do empresário ou do bolso do contribuinte de Manaus.

Leia Mais

Amazonas

Prefeito de Iranduba da “piti” e destrata reportagem: Veja o vídeo

Publicado

em

Moradores do bairro Novo Amanhecer, relatam todas as dificuldades que os moradores vêm sofrendo a mais de 36 anos, muda o gestor do município e o problema continua o mesmo.

Os moradores da comunidade, cobram do prefeito Augusto Ferraz sua promessa de campanha que os problemas que assolam a comunidade iriam ser solucionados, o morador procurou os órgãos municipais para se embasar e cobrar uma solução de Ferraz.

Tubos para a realização de inicializar a infraestrutura de esgotamento das ruas, estão no local a mais de três gestões anteriores, um morador cedeu uma parte de seu terreno para que a referida obra venha a ser realizada, mais o pedido não foi atendido, cansados de tantas promessas os moradores procuraram a reportagem do CM7 com o intuito de obter uma resposta e um prazo para que a obra ao menos seja iniciada.

Existe um documento que comprova a solicitação de serviço, já na gestão de Ferraz, as imagens demostradas na reportagem, revelam que a falta de esgotamento e meio fio fazem com que as ruas venham a diminuir por estarem cedendo com as chuvas e com o trafego na via, acidentes já aconteceram no local, assim diz o morador.

Com o descaso com a população, até mesmo o Vasco time de futebol carioca está tendo mais credito que o prefeito de Iranduba. Após percorrer ruas do bairro, foi visto a necessidade clara de fazer a rede de esgoto, pontes e asfalto, pois nem todas as ruas possuem asfalto.

A equipe de reportagem de perto a realidade daquele bairro, e os outros que não visitaram? Como será que está? Com a intenção de ajudar aquelas famílias se dirigiram a prefeitura e acompanhar o morador que procura melhorias.

Chegando a prefeitura, onde o prefeito Augusto Ferraz despachava de seu gabinete, a equipe de jornalismo do CM7 foi recepcionada por um assessor de Ferraz, que propôs que a equipe voltasse um outro dia, o repórter disse que estavam lá aproveitado o ensejo, e verificar o que poderia ser feito para a comunidade, após aguardarem por mais de uma hora na recepção da prefeitura, o comunitário que estava sendo acompanhado pela reportagem adentrou o gabinete do prefeito, a equipe de reportagem tentou acompanhar a conversa e foram impedidos. O repórter diz que está acompanhando o comunitário o prefeito pergunta “Qual a bronca, a gente está acompanhando-o, Ferraz responde “Quero não” o repórter o questiona o prefeito o por que “Eu não quero… por que eu não quero” repórter volta a questionar do que o senhor está com medo, “Eu não tenho medo de ninguém, só tenho medo de DEUS” repórter insiste só uma palavrinha “Por Favor” disse Ferraz apontado para a saída, o repórter insiste com o questionamento sobre o prefeito ter ido as ruas e solicitar votos “um abraço… um abraço” diz o prefeito, é quando o prefeito puxa o documento e coloca na mesa de Ferraz e diz que procurou o secretário de infraestrutura e o mesmo disse que o prefeito não vai fazer nada por aquela comunidade. A reportagem insiste em pedir para acompanhar a conversa, o repórter insiste em dizer ao prefeito que o pedido inicial não havia sido na gestão atual, mas que a comunidade quer uma resposta sobre o fato, um prazo para que a solicitação de melhoria comece.

Com a intensão de intimidar a reportagem do CM7, a equipe do prefeito começa a filmar, o repórter insiste e pede dois minutos, uma palavrinha do prefeito. E sem sucesso a equipe sai do local sem uma entrevista curta com Ferraz. Mostrando o total desrespeito do prefeito não somente com a reportagem, mas com a população em geral.

A reportagem informou ao prefeito que retornará dia 30 para saber o que foi atendido e poderá ser feito pela população local. A reportagem foi “expulsa” do local sem uma resposta.

fonte: Laranjeira news

Leia Mais

Mais lidas