Connect with us

Fofoca

Casamento de João e Bia Doria chega ao fim após 27 anos, diz coluna

Published

on

Casados há 27 anos, João e Bia Doria decidiram se separar, de acordo com o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo. Em nota à imprensa, o governo de São Paulo disse que “assuntos pessoais serão tratados na intimidade”. “Peço que respeitem a privacidade da minha família”, diz.

João e Bia têm três filhos: Johnny, Felipe e Carolina. De acordo com a revista Veja, o casal vivia em uma casa no bairro do Jardim Europa, em São Paulo.

Matéria e Foto: Metro 1

Fofoca

Esquerdista declarada, Dora Tupinambá usa página do Sindicato dos Jornalistas para atacar Sikêra Júnior e Bolsonaro

Published

on

Manaus – Nos últimos dias, o apresentador do programa Amazonas Alerta exibido pela TV A Crítica, Sikera Júnior, divulgou um vídeo nas redes sociais, anunciando que a emissora na qual trabalha está contratando profissionais de imprensa, mas destacou um ponto bem importante: o candidato não pode escrever “contra o avanço do Brasil”, nem ser simpatizante da esquerda.

“Enquanto as empresas fecham as portas, demitem, a nossa contrata, graças a Deus. Estamos precisando de repórter, câmera man, redator, locutor, mas tem um detalhe: A gente vai tirar quem tá atrapalhando, quem escreve contra o país, quem só quer atrapalhar o processo, torcer contra. A maioria nas redações dos jornais e da televisão tem os contra, os que não querem ver nada funcionar. Vai começar uma renovação, graças a Deus”, disse Sikera Júnior.

Em ‘defesa’ da classe, a presidente do sindicato dos jornalistas do Amazonas, Dora Tupinambá usou a página oficial do sindicato no Facebook para emitir uma nota, reprimindo totalmente a fala do apresentador. Em um dos trechos da nota ela diz: “O compromisso do jornalismo é com a verdade e, por isso, ele é um dos pilares de qualquer sociedade democrática. Nesse sentido, o papel da imprensa, é levar informação às pessoas. Expor fatos e não comprar versões partidárias, seja ela de esquerda ou de direita, e, muito menos expor suas crenças pessoais.”

A hipocrisia da presidente reflete em publicações feitas por ela em seu instagram pessoal, fazendo sérios ataques contra o presidente Jair Bolsonaro, e enaltecendo a vereadora do PSOL eleita no Estado do Rio de Janeiro, Marielle Franco, que nunca moveu uma pedra pelo Amazonas.

No seu instagram pessoal, Dora Tupinambá publicou fotos com temas “Mulher não vota em Bolsonaro” e com a hashtag “#elenão”. A presidente do sindicato também fez uma publicação exclusiva para a vereadora do PSOL Marielle Franco, morta em 2018.

“Jornalistas têm outra responsabilidade e outro compromisso, independente do credo religioso e da sua posição ideológica. É direito constitucional. O compromisso do jornalismo é com a verdade e, por isso, ele é um dos pilares de qualquer sociedade democrática. Nesse sentido, o papel da imprensa, é levar informação às pessoas.”

Dora Tupinambá está com sua carreira em declínio, e não suporta ver o sucesso de novos Blogs e Portais de Notícia no Amazonas.

Confira a nota emitida por Dora Tupinambá na íntegra

NOTA DE REPÚDIO

SINDICATO DOS JORNALISTAS REPUDIA PROPOSTA DE FILTRO IDEOLÓGICO PARA CONTRATAR JORNALISTA

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amazonas (SJP-AM) vem a público REPUDIAR as declarações feitas pelo apresentador José Siqueira Barros Junior (Sikêra Júnior), da TV A CRÍTICA, veiculada em suas mídias digitais no último fim de semana, por meio de vídeo, quando tenta desqualificar os profissionais de jornalismo. A fala do apresentador de TV agride a função social e a ética do Jornalismo e os jornalistas; tenta enquadrá-los em uma percepção reducionista e deformada do que é o exercício jornalístico ao afirmar que na maioria das redações dos jornais e das TVs tem aqueles que “escrevem contra o País” e “que só querem atrapalhar”.

Mais do que isso, propõe a forma mais primária de manipulação da informação, que é tudo o que Jornalismo não é: colocar pessoas favoráveis a uma ideologia para trabalharem, supostamente, em favor dela.

As críticas dirigidas a outras emissoras na fala deste senhor também insinua que os jornalistas que estão hoje nas redações não são sérios; até mesmo os da emissora em que trabalha, uma vez que cita o termo “toda empresa tem um cara que cria problema”.

O SJPAM defende não apenas o registro profissional como também o DIPLOMA de jornalismo como critério imprescindível ao exercício profissional. E embora ao longo dos anos os profissionais que atuaram – e alguns que ainda atuam – na emissora que ele trabalha, tenham formação acadêmica, não eram registrados como tal na carteira de trabalho, contribuindo desta forma para a precarização da profissão.

A fala do apresentador enuncia ainda a postura autoritária com a qual pretende se estabelecer e fazer escola no Estado do Amazonas e na cidade de Manaus. Na condição de radialista e jornalista, desrespeita seus próprios colegas de profissão. A ideia de que “o Brasil vai começar a mudar” a partir desse tipo de guardiões não é nova, outros com a mesma postura de xerife já desfilaram na história do Jornalismo no Brasil e no Amazonas. Descobriram da pior maneira que a sociedade não aceita o xerifado, venha de onde vier, e os jornalistas, em diferentes frentes de batalha, reposicionaram o exercício legal, legítimo e responsável da profissão.

É lamentável e perigoso que no século XXI, pessoas que atuam na área da comunicação ainda se refiram a jornalistas esquerdistas nas redações de jornais e TVs. Mais que uma leitura atrasada, esta é a expressão da hipocrisia e da subserviência como arranjos da prática da dissimulação regiamente paga com recursos públicos para assegurar a escrita jornalística a favor ou a voz única da verdade. Sikêra Junior revela-se adesista da “renovação” jornalística que não aceita mudança nem ruptura na realidade do Brasil e do Amazonas, no entanto, beneficia-se com ela.

Jornalistas têm outra responsabilidade e outro compromisso, independente do credo religioso e da sua posição ideológica. É direito constitucional. O compromisso do jornalismo é com a verdade e, por isso, ele é um dos pilares de qualquer sociedade democrática. Nesse sentido, o papel da imprensa, é levar informação às pessoas. Expor fatos e não comprar versões partidárias, seja ela de esquerda ou de direita, e, muito menos expor suas crenças pessoais.

O jornalismo e o jornalista, no fazer jornalístico, não podem ser guiados por ideologia, senão, fogem ao seu real propósito. “O papel do jornalista é investigar. O dos políticos, é prestar contas”, disse Martin Baron, editor do Washington Post que chefiou, em 2002, a equipe do jornal Boston Globe que investigou abusos sexuais cometidos por clérigos da Igreja Católica. O caso deu origem a “Spotlight”, que ganhou o Oscar de melhor filme em 2016.

“O governo é a instituição mais poderosa que existe em qualquer país. E nosso dever é fazer as instituições poderosas prestarem contas à sociedade”, escreveu. E isto é tudo o que esse senhor apresentador não defende. Com que interesses?

O Brasil e o Amazonas continuarão a mudar como parte do processo histórico e, neste, o jornalismo tem função relevante para revelar os cenários, os parasitas, os fascistas e aproveitadores ocasionais. Eles passarão! Lutemos, jornalistas!

Manaus- AM, 02 de março de 2020

DIRETORIA
SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS NO ESTADO DO AMAZONAS – SJPAM

Continue Reading

Fofoca

Selo Tupinambá é desmoralizada por um dos maiores portais do Norte

Published

on

Um dos maiores portais de notícias do norte do País, o Portal CM7, fez uma excelente matéria desmoralizando a presidente esquerdista dos jornalistas do Amazonas, Dora Selo Tupinambá. O Selo, é uma referência a sua ideia idiota de tentar censurar os portais de notícias do estado, criando um Selo de qualidade para ser usado principalmente pelo Governo do Estado, para contratação de apadrinhados do sindicato.

Veja o que escreveu o CM7

Nos últimos dias, o apresentador do programa Amazonas Alerta exibido pela TV A Crítica, Sikera Júnior, divulgou um vídeo nas redes sociais, anunciando que a emissora na qual trabalha está contratando profissionais de imprensa, mas destacou um ponto bem importante: o candidato não pode escrever “contra o avanço do Brasil”, nem ser simpatizante da esquerda.

“Enquanto as empresas fecham as portas, demitem, a nossa contrata, graças a Deus. Estamos precisando de repórter, câmera man, redator, locutor, mas tem um detalhe: A gente vai tirar quem tá atrapalhando, quem escreve contra o país, quem só quer atrapalhar o processo, torcer contra. A maioria nas redações dos jornais e da televisão tem os contra, os que não querem ver nada funcionar. Vai começar uma renovação, graças a Deus”, disse Sikera Júnior.

Em ‘defesa’ da classe, a presidente do sindicato dos jornalistas do Amazonas, Dora Tupinambá usou a página oficial do sindicato no Facebook para emitir uma nota, reprimindo totalmente a fala do apresentador. Em um dos trechos da nota ela diz: “O compromisso do jornalismo é com a verdade e, por isso, ele é um dos pilares de qualquer sociedade democrática. Nesse sentido, o papel da imprensa, é levar informação às pessoas. Expor fatos e não comprar versões partidárias, seja ela de esquerda ou de direita, e, muito menos expor suas crenças pessoais.”

A hipocrisia da presidente reflete em publicações feitas por ela em seu instagram pessoal, fazendo sérios ataques contra o presidente Jair Bolsonaro, e enaltecendo a vereadora do PSOL, Marielle Franco, que nunca moveu uma pedra pelo Estado do Amazonas.

No seu instagram pessoal, Dora Tupinambá publicou fotos com temas “Mulher não vota em Bolsonaro” e com a hashtag “#elenão”. A presidente do sindicato também fez uma publicação exclusiva para a vereadora do PSOL Marielle Franco, morta em 2018.

“Jornalistas têm outra responsabilidade e outro compromisso, independente do credo religioso e da sua posição ideológica. É direito constitucional. O compromisso do jornalismo é com a verdade e, por isso, ele é um dos pilares de qualquer sociedade democrática. Nesse sentido, o papel da imprensa, é levar informação às pessoas.”

Dora Tupinambá está com sua carreira em declínio, e não suporta ver o sucesso de novos Blogs e Portais de Notícia no Amazonas.

Com informações Portal CM7

 

O presidente da associação dos blogueiros do Amazonas, Generoso, escreveu mais cedo;

Eu respeito muito a Dora Tupinambá, assim como ela me respeita. Sou jornalista pela força da lei, mas, me considero empresário que gera emprego e renda nessa cidade. Nunca impedi “minhas” colegas de trabalho de publicarem assuntos relacionados ao PT, PC do B, PSOL e afins no Portal do Generoso, eu não posso e não tenho o direito de mudar o viés político delas. Agora, como vivemos uma democracia, eu contrato quem eu quiser e determino os critério e regras para contratação junto com minha esposa, e nessa decisão ninguém se mete, nem mesmo o sindicato dos jornalistas. Como hoje, presidente da Associação de Blogs e Portais, tenho recebido reiteradas reclamações, com relação a forma com que o sindicato dos jornalistas do Amazonas, trata os blogueiros, como se eles, por não terem diploma, são menores dos que possuem ensino superior.

A bem verdade, é que, tem muito blogueiro que escreve mil vezes melhor que muito jornalista com formação acadêmica. Alguns desses profissionais de tanta preguiça, não faz uma matéria que preste. Por mais que eu goste, admire e respeite a Dora Tupinambá, como presidente de uma associação de blogs e portais do estado, é meu dever proteger meus associados, e assim eu farei, dentro da legalidade buscando a regularização da classe de blogueiros do estado em âmbito nacional. Sobre a posição do jornalista e apresentador Sikera Júnior, da TV Acrítica, que usou suas redes sociais para expor sua indignação, no que se refere uma nota do sindicato dos jornalistas do Amazonas, que criticava sua opinião em sugerir que a Rede Calderaro de Comunicação não contrate jornalistas esquerdistas ,eu afirmo. Cada empresário contrata quem quiser e como quiser, quem dita as regras, repito, É O DONO DA EMPRESA. Querem mandar até na empresa do Dissica agora? O apresentador tem sua liberdade e o direito de usar suas redes sociais como lhe convém, não vi ofensa a minha colega Dora Tupinambá, com todo respeito, é uma tempestade em um copo d`água ou uma má interpretação de texto.

Já ficou claro e evidente que uma parcela desses profissionais de jornalismo, com ideologia partidária de esquerda, quer contribuir para “destruição” da reputação do presidente da república Jair Messias Bolsonaro. Há meses tentam associá-lo ao crime que tirou a vida de Marielle Franco, o acusam de liderar milícia sem ter uma prova cabal. E não satisfeitos, agora, põem em xeque a fidelidade da sua esposa, Michelle Bolsonaro, insinuando mal e porcamente, que ela, traiu Bolsonaro. Esse tipo de jornalismo não cabe mais nesse país que cansou de ver a mídia paga com nosso dinheiro, manipular informação para lucrar. O maior ódio da “imprensa” brasileira, ou parte dela, é ver a “gorda” verba de publicidade do governo federal ser aniquilada, gente que “mamava” para mentir, enganar, e mascarar números na economia. Essa batalha está perdida para os que pensam que o povo será ludibriado. Querem respeito? RESPEITEM! Não devemos misturar nossas ideologias com nosso profissionalismo, o Brasil precisa de todos nós, não precisa de gente que por não aceitar a derrota nas urnas, quer se vingar, acusando, mentindo e fantasiando.

Por fim, nunca escondi a amizade que tenho pela Dora, Dissiquinha e Sikera Júnior, espero ter sido compreendido. O sol nasceu para todos, porém, só brilha para aqueles que lutam e buscam seu lugar na história.

Marcelo Generoso- Presidente da Associação de Blogs e Portais do Amazonas.

Continue Reading

Mais lidas