Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Deputada Alessandra Campelo, reconhecida por sua atuação na defesa dos direitos das mulheres, repudia casos de assédio sexual ocorridos na Tumpex.

Amazonas – A deputada estadual Alessandra Campelo (Podemos), presidente da Comissão da Mulher, da Família e do Idoso, repudiou e condenou os casos de assédio sexual contra mulheres na empresa Tumpex nesta segunda-feira (13) durante sessão na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

A deputada mais atuante nos direitos da mulher do Amazonas, levou à tribuna o maior escândalo de assédio sexual contra mulheres já registrado no Amazonas. Noticiado em primeira mão pelo Portal e TV CM7 Brasil, a empresa Tumpex, responsável pela coleta de lixo em Manaus, acumula dezenas de denúncias de atos libidinosos e já fez mais de 50 vítimas.

”A Procuradoria está acompanhado um caso de violência contra a mulher que repercutiu na mídia, da empresa Tumpex, onde tem como gerente o senhor Carlos Seiss, que já foi preso pela Polícia Federal este ano, apontado como assediador, estuprador, aliciador de menores. Ele já assediou 57 mulheres até o momento identificadas!”, revelou a deputada.

Alessandra explanou com detalhes o esquema sujo de contratação adotado por Carlos, onde as mulheres que trabalhavam na Tumpex eram forçadas a realizar atos sexuais na sala dele enquanto eram filmadas, e que mesmo após os vídeos terem sido vazados, o mesmo foi apenas afastado e não demitido.

Na ocasião, Alessandra solicitou ao prefeito de Manaus, David Almeida, que exija a demissão de Carlos Seiss da empresa, pois caso o contrário, a Prefeitura também estará sendo conivente com o crime.

”O prefeito de Manaus tem que exigir que a Tumpex demita esse homem. Imagina com quantas outras mulheres ele fez isso? Espero que a Prefeitura não seja cúmplice disso, tenho certeza que não será. Esse homem tem que ser demitido, ele é pago com dinheiro público. O salário dele sai de uma empresa que recebe dinheiro público, essas meninas indiretamente são servidoras públicas porque são terceirizadas em uma empresa que presta serviço para Manaus e que inclusive foi alvo da Polícia Federal”.

A parlamentar revelou ainda que os portais de notícias que denunciaram o crime estão sendo processados por Carlos Seis. ”Processou o Portal CM7, processou pessoalmente a Cileide Mousssallem porque ela denunciou. E eu estou do lado de quem denunciou, se ele quiser me processar a gente vai pra justiça, porque ele vai ter que provar que não era ele ali assediando todas essas mulheres”, finalizou.

Veja o vídeo: