Connect with us

Brasil

Entenda o motim de policiais militares no ceará

Publicado

em

Parte dos policiais do estado se dizem insatisfeitos com a proposta do Governo do Estado de reajuste salarial e realiza atos que a Secretaria da Segurança considera ‘motim’ e ‘vandalismo’.

Primeiro protesto – 5 de dezembro de 2019

Policiais e bombeiros militares ocuparam as galerias e corredores da Assembleia Legislativa do Ceará reivindicando aumento salarial da categoria.
No mesmo dia, deputados da base do governo Camilo Santana afirmaram que uma proposta de reestruturação da carreira era elaborada e seria apresentada no “começo de 2020”. A reestruturação define quanto será o aumento do salário-base da categoria nos anos seguintes.

Proposta de reajuste – 31 de janeiro de 2020

O Governo do Estado anunciou detalhes do projeto de reestruturação salarial. O salário de um soldado, atualmente de R$ 3,2 mil, seria aumentado progressivamente até atingir R$ 4,2 mil em 2022.

O pacote de reajuste inclui, além de policiais militares, bombeiros militares, policiais civis e peritos forenses.

Projeto na Assembleia e novo protesto de policiais – 6 de fevereiro

 

Associações de policiais e bombeiros organizaram um ato de protesto na Assembleia Legislativa no dia em que o projeto do Governo do Estado chegaria ao poder legislativo. A categoria não aceitava os termos propostos pelo governo.

Uma parte dos policiais esteve na galeria da Assembleia; com a lotação, a maior parte dos manifestantes ficou do lado de fora e ocupou os dois sentidos da Avenida Desembargador Moreira, em frente à Assembleia. O tráfego de veículos ficou bloqueado no trecho.

1ª reunião entre policiais e governo – 10 de fevereiro

Inconformados com a proposta de reajuste salarial do Governo do Estado, policiais e representantes do Estado se encontraram em reunião para tentar chegar a um acordo.

Não houve proposta que agradasse a ambas as partes, e a reunião acabou sem acordo. Eles definiram a data para uma segunda rodada de negociações.

2ª reunião entre policiais e Governo – 13 de fevereiro

Em um segundo encontro, o Governo do Estado aumentou a proposta de reajuste salarial, de R$ 4,2 mil para R$ 4,5 mil. O aumento é progressivo, chegando ao valor de R$ 4,5 mil em 2022.

Ao fim da reunião, o Governo do Estado anunciou que havia chegado a um acordo com os militares. No entanto, policiais ligados à liderança de uma associação militar permaneceram insatisfeitos. Nos bastidores, esse grupo tentou provocar atos de protesto e paralisar as atividades da categoria.

Reação ao prenúncio de greve policial – 14 de fevereiro

Temendo a paralisação dos militares, o Ministério Público do Ceará se antecipou e recorreu à Justiça para obter decisões contrárias aos movimentos paredistas dos militares.

O órgão pediu que a Justiça decretasse a ilegalidade dos motins policiais e, em caso de desobediência, multasse as associações que apoiam as manifestações.

Justiça proíbe motins – 17 de fevereiro

A Justiça atendeu ao pedido do Ministério Público e determinou que:

  • as associações se abstenham de atuar ou promover reuniões voltadas para discussão de melhorias salariais;
  • se abstenham de financiar ou de participar de assembleias para debater greve da categoria;
  • em caso de paralisação da Polícia Militar ou do Corpo de Bombeiros Militar, as associações demandadas abstenham-se de promover atos grevistas.

Motins e ‘vandalismo’ de policiais – 18 de fevereiro

Um grupo de policiais iniciou a realização de atos que a Secretaria da Segurança Pública considera “vandalismo” e “motim”. Três policiais foram presos por cercar um veículo da polícia e esvaziar os pneus.

A ideia dos policiais, conforme a secretaria, é paralisar as atividades da categoria.

Comércios fechados e senador baleado – 19 de fevereiro

Homens encapuzados – que a Secretaria da Segurança investiga se são policiais – invadiram batalhões da Polícia Militar, retiraram veículos oficiais e particulares e esvaziaram pneus nas ruas. O governador do Ceará, Camilo Santana, solicitou que policiais civis fossem às ruas fazer o serviço de patrulha.

Em Sobral, homens encapuzados ordenaram que comerciantes baixassem os portões. O senador Cid Gomes tentou entrar em um batalhão da PM usando uma retroescavadeira. Ele foi baleado com dois tiros.

Amazonas

Grupo de empoderamento ajuda mulheres em todo o Brasil

Publicado

em

Mais de 4 mil integrantes do grupo “Virada Feminina” atuam ativamente contra exploração sexual, violência doméstica, fomentando o empreendedorismo e o fortalecimento feminino

Criado há quatro anos pela gaúcha Marta Livia Suplicy, o grupo de mulheres “Virada Feminina”, já tem mais de 4 mil integrantes e oferece uma rede de apoio a mulheres em todo o Brasil. O objetivo é ajudar e atuar ativamente em qualquer lugar onde uma ou mais mulheres precisem de ajuda. No mês onde a Lei Maria da Penha comemora 14 anos, ações como essa nos ajudam a conquistar cada vez mais espaço na sociedade e a virar o jogo em temas como o combate à violência contra a mulher, empregabilidade, empreendedorismo e empoderamento feminino.

– Nós não somos um grupo de discussão, somos um grupo de ação. Todas são voluntárias e trabalham umas pelas outras. Todo dia recebemos um número enorme de denúncias de violência, abuso sexual. O que fazemos é tentar agir onde as mulheres precisam de apoio. Me perguntam sempre o que você ganha com isso? Evolução feminina e uma classe fortalecida! – explica a representante empossada pela presidente nacional do Virada Feminina, Marta Livia Suplicy.

A rede de apoio conta com mulheres de várias áreas, são delegadas, psicólogas, jornalistas, médicas, dentistas, escritoras, empresárias, artistas, entre outras. Elas possuem grupos de trabalho em estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Espírito Santo, Amapá, Ceará.

– Precisamos dar visibilidade a mulheres invisíveis. Imagina uma mulher que faz uma denúncia de violência, mas a delegada leva quatro horas de barco para chegar até lá. Isso acontece por esse Brasil. Temos lideranças até na Ilha do Marajó, porque a ajuda precisa chegar até lá! Queremos combater essa cultura machista e criar mais políticas públicas, ter mulheres em cargos mais altos. Sororidade não é moda, precisamos nos colocar no lugar do outro – explica Marta.

Para as mulheres que queiram ajudar ou que também precisem de ajuda, a página do grupo no Instagram é @viradafeminina_oficial. O grupo também promove debates nas redes sociais, como o que vai acontecer nesta quarta-feira (12/08), às 20h, para falar de histórias de superação feminina, com a representante Marta Livia Suplicy e a jornalista de comportamento feminino, Kizzy Bortolo.

Leia Mais

Amazonas

Cileide Moussallem será a representante do Movimento Virada Feminina no Amazonas

Publicado

em

Brasil – O Movimento Feminino Global , intitulado de Virada Feminina, acaba de ganhar uma representante no Estado do Amazonas. Cileide Moussallem Rodrigues, empresária da Comunicação no Estado e idealizadora do Portal de Notícias CM7, é a mais nova representante do Virada Feminina no Amazonas.

Com alcance mundial e com notável ações de políticas sociais voltadas para as mulheres, o movimento vem crescendo e ganhando cada vez mais adeptos e incentivadores. Com atuação forte no combate à exploração sexual e discriminação e violência contra a mulher, a Instituição Virada Feminina conta com grandes expoentes no Brasil e no mundo.

Personalidades como a Primeira Dama Brasileira, Sra. Michele Bolsonaro, apoia o Movimento Virada Feminina, e hoje é considerado o movimento feminino que mais cresce no País e no mundo.

Feliz e sentindo-se reconhecida pelo seu papel no âmbito da causa feminina, a empresária amazonense Cileide Moussallem agradeceu a confiança depositada, e prometeu honrar com muito trabalho e dedicação o posto, agora ocupado.

O convite partiu da presidenta nacional, Dra. Martha Lívia e da ex-deputada Fátima Pelais. Cileide, que atua a muitos anos em fazer o bem através de doações, agora terá o apoio de uma rede nacional de ações em favor dos Direitos das Mulheres.

fonte: https:///portalcm7.com

Leia Mais

Brasil

Vaca dá à luz filhotes trigêmeos no norte da Bahia; caso é considerado raro entre especialistas

Publicado

em

Nascimento ocorreu em fazenda localizada em distrito da cidade de Senhor do Bonfim. Filhotes são fêmeas, caso também considerado raro pelos veterinários.

Uma vaca deu à luz três filhotes em uma fazenda localizada no distrito de Quicé, no município de Senhor do Bonfim, no norte da Bahia. O nascimento das bezerras ocorreu na primeira semana deste mês de janeiro.

De acordo com o dono da fazenda, a fecundação da vaca que pariu as bezerras aconteceu por meio de inseminação artificial, o que pode ter super estimulado os ovários da vaca, fazendo com que ela tivesse tripla ovulação.

Os filhotes nasceram em três placentas diferentes, são trivitelinos. A vaca, que é meio sangue da raça girolando, foi inseminada com o sêmen de touro holandês.

Segundo o veterinário da fazenda, o nascimento de trigêmeos e trivitelinos é raro. Além disso, o fato delas serem três fêmeas, o que também é raro, é considerado bom pelos especialistas pois a chance de serem hermafroditas é baixa, já que não há interferência de hormônios masculinos.

O veterinário disse que na Bahia, o nascimento de trigêmeos não é uma condição comum de acontecer e o parto de gêmeos é mais frequente.

O dono da fazenda onde nasceram as bezerras possui 500 animais, dessas, 170 são vacas de lactação que produzem por dia 3.500 litros de leite.

Leia Mais

Mais lidas