Connect with us

Política

Escândalos envolvendo Amazonino Mendes vem a tona, relembre os desvios do dinheiro publico

Publicado

em

Escândalos dos radares eletrônicos, desvio de dinheiro que deveria ser usado para asfaltar a cidade e gastos de recursos para propaganda irregular são alguns dos processos envolvendo ex-governador e ex-prefeito Amazonino Mendes em tramitação no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). Em alguns casos, a espera por uma definição já chega a sete anos. Os processos  somam, pelo menos, prejuízos de R$ 127 milhões aos cofres públicos.

Em dezembro de 2010, o então vereador e atual deputado estadual José Ricardo (PT) e o ex-vereador Francisco Praciano (PT) ingressaram com uma ação popular contra o ex-prefeito de Manaus Amazonino Mendes, a empresa Emparsanco e mais cinco envolvidos, acusando desvio de R$ 87,4 milhões, entre 2009 e 2010.

A suspeita de fraude começou em maio de 2010,  nos serviços de pavimentação das ruas de Manaus. Na época, o prefeito Amazonino Mendes afirmou que a  Emparsanco foi contratada, em agosto de 2009, mas como as  obras ainda não haviam iniciado, não teria sido feito nenhum pagamento à empresa. No entanto, o prefeito foi desmentido pelo então secretário municipal de Obras Américo Gorayeb ao afirmar que a empresa havia prestado serviço e recebido.

Após as suspeitas, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) foi acionado e a Secretaria Geral de Controle Externo (Secex) emitiu relatório técnico de auditoria revelando que a Prefeitura de Manaus, na gestão de Amazonino, pagou, irregularmente, R$ 87.403.567,45 à Emparsanco por serviços que a empresa não prestou integralmente.

A Secex relatou ter encontrado pagamento em duplicidade, alteração da planilha orçamentária original, projeto básico ‘totalmente’ inconsistente, inexistência de projeto executivo e de licenciamento ambiental, além de inexistência de registro fotográfico dos locais, antes e depois das obras.

O processo envolvendo Amazonino e a Emparsanco está tramitando na 1ª Vara da Fazenda Pública Municipal. A última movimentação no site do TJAM é de 28 de novembro de 2016, quando foi anexado o documento ‘Visto em correção’ da Corregedoria Geral de Justiça do Amazonas, para o juiz impulsionar os autos.

Em outro processo, que chega à casa dos milhões, o ex-prefeito Amazonino Mendes é acusado pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM), junto com mais 12 pessoas, de irregularidades na contratação da empresa Consladel, responsável pela instalação e operação dos radares de controle de velocidade de veículos nas ruas de Manaus.

De acordo com a denúncia do MP-AM, o contrato trouxe um prejuízo de R$ 40 milhões aos cofres públicos, no caso que ficou conhecido como a ‘indústria de multas’. Cabe recurso da decisão. O prejuízo, segundo a denúncia do MP-AM, se deu na contratação da Consladel para a execução de serviços de segurança, manutenção, conservação e apoio à administração e implantação de engenharia de trânsito para o sistema viário de Manaus, inicialmente prevista em R$ 92 milhões.

Na denúncia, o MP-AM diz que houve, ainda na fase inicial do processo licitatório, a atuação do “núcleo político” para beneficiar a empresa, e que, após a entrega do objeto da licitação, foram efetuados pagamentos em favor da Consladel, sem que houvesse a devida contraprestação com a realização integral dos serviços ajustados.
Em abril de 2010, a Prefeitura renovou o contrato com a Conslandel para a instalação do novo sistema de fiscalização eletrônica de velocidade e avanço de sinais de trânsito, em Manaus. Segundo o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans), o contrato com a Conslandel foi encerrado.

“O papel do ex-prefeito Amazonino Mendes foi o de possibilitar que isto acontecesse, uma vez que somente ele, por iniciativa da lei, poderia fazer a transferência de patrimônio (direitos e obrigações) entre as entidades. Pois é o prefeito quem exerce a administração superior do Poder Municipal”, afirma o MP-AM.

Em outro trecho da petição inicial do processo, o MP-AM diz que, sem a participação de Amazonino Mendes, “não teria sido possível o ilícito contra as finanças públicas, ao se ordenar que a autarquia Manaustrans suportasse despesa não prevista, nem autorizada por lei específica quanto ao orçamento dela”. “Sua participação foi fundamental para a violação do sistema orçamentário-financeiro da administração pública municipal”, afirma o MP-AM. A representação criminal contra o ex-prefeito tramita sob o número 0220741-04.2014. 8.04.0001, na 5ª Vara Criminal do TJAM, e está em grau de recurso, com o desembargador Jorge Manoel Lopes Lins.

Em março de 2015, a juíza Andréa Jane, da 5º Vara Criminal, determinou o sequestro dos bens de  Amazonino Mendes  e de outras dez pessoas, no valor de R$ 40 milhões. Segundo a decisão da juíza, o bloqueio dos bens   foi feito nas contas-correntes e nos saldos das aplicações financeiras, nos veículos, empresas e imóveis no nome dos denunciados. Os acusados recorrem da decisão e o recurso está em segredo de Justiça.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do ex-prefeito que indicou o major da Polícia Militar Otavio Queiroz de Oliveira Cabral Junior, ex- chefe do Gabinete Militar da Prefeitura de Manaus na administração de Amazonino, mas o número de telefone fornecido pela assessoria estava fora de área.

Neste ano, o MP-AM requereu ao juiz Cezar Bandeira a “disponibilização da mídia encaminhada com a inicial para elaboração detalhada e minuciosa do recurso de apelação”, para ingressar com um recurso contra decisão do magistrado, que rejeitou uma Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa contra o ex-prefeito, que foi acusado de distribuir 400 mil DVDs, pagos com recursos públicos do município, com material de divulgação.

O DVD intitulado ‘Você tem direito de saber’ foi confeccionado e distribuído pela empresa Menê e Portella Publicidade Ltda., ao custo de R$ 2,073 milhões para os cofres da Prefeitura. Para a promotora de Justiça Neyde Regina Trindade, autora da ação, o material foi usado para promoção pessoal do prefeito e propaganda eleitoral antecipada. “O fato é que a promoção pessoal deriva do cenário construído no vídeo em que se distinguem dois momentos, antes e depois da gestão de Amazonino Mendes, o que, sem dúvida, reflete na promoção pessoa do gestor, retirando qualquer caráter informativo ou institucional do DVD”, diz a promotora, na ação em que pediu a indisponibilidade dos bens de Amazonino Mendes e dos sócios da empresa Menê e Portella Publicidade, para “assegurar o integral ressarcimento do dano” até o valor de R$ 2,073 milhões. A ação está tramitando na 2ª Vara Especializada da Fazenda Pública Municipal sob o número 0227681-19.2013.8.040001.

Amazonas

Médico veterinário é condenado a 3 anos de prisão por assediar e tentar estuprar funcionária em Manaus

Publicado

em

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) condenou um médico veterinário a 3 anos de prisão por assédio e tentativa de estupro contra uma funcionária, em Manaus. Ele foi preso em setembro de 2020, após a vítima denunciar os crimes. Outras cinco funcionárias também registraram Boletim de Ocorrência contra ele.

A condenação de três anos de prisão do médico veterinário foi determinada pela 4ª Vara Criminal de Manaus. Ele responde pelos crimes de assédio sexual e importunação sexual. O processo está em segredo de Justiça.

O caso veio à tona, no ano passado, após a vítima registrar boletim de ocorrência contra o homem e expor a situação em redes sociais. Com isso, um mandado de prisão foi expedido e, segundo a polícia, o homem foi preso na casa de um pastor, no bairro Manoa, no dia 17 de setembro de 2020.

De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), o médico veterinário permaneceu preso até o dia 2 de abril desde ano, quando deixou o sistema prisional após um alvará de soltura.

Leia Mais

Amazonas

Após aglomeração em ônibus, Prefeitura diz que vai aumentar nº de viagens e de veículos em Manaus

Publicado

em

A partir desta segunda-feira (12), nove linhas de ônibus do transporte público da capital devem começar a rodar pelas ruas de Manaus com reforço de viagens e veículos para evitar aglomerações nos coletivos, segundo informou o Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU), nesta sexta-feira (9).

Nas últimas semanas, a Rede Amazônica flagrou diversos ônibus e terminais com aglomeração de passageiros.

A medida, segundo a Prefeitura de Manaus, ocorre após a constatação de lotação de linhas em diversos pontos da cidade no horário de pico de passageiros.

Serão reforçadas as linhas 678, 676, 600, 560, 449, 448, 034, 013 e 010, que também terão aumento no número de viagens realizadas pelas referidas linhas.

O IMMU informou que realiza estudo em outras linhas da capital para avaliar a implementação de reforço como medidas de segurança contra a disseminação do novo coronavírus.

Flexibilização das medidas restritivas

 

Na segunda-feira (5), o Governo do Amazonas publicou o decreto com as alterações no horário de funcionamento do comércio. As medidas são por 15 dias.

Entre os destaques está a ampliação do horário de funcionamento de restaurantes e a liberação para a retomada de aulas do ensino médio e cursos livres.

O Amazonas encontra-se na fase laranja da quarentena, que corresponde classificação de risco moderado para transmissão de Covid-19, segundo o governo do Estado.

Desde o início da pandemia de Covid-19, em 2020, o Amazonas registra mais de 352 mil infectados e o número de mortes supera os 12 mil.

Leia Mais

Amazonas

Cileide Moussallem presidente do ‘Movimento Virada Feminina’ no Amazonas, Veja vídeo

Publicado

em

Cileide Moussallem Rodrigues empresária da Comunicação no Estado e idealizadora do Portal de Notícias CM7, presidente do Virada Feminina no Amazonas. Com alcance mundial e com notáveis ações de políticas sociais voltadas para as mulheres, o movimento vem crescendo e ganhando cada vez mais adeptos e incentivadores.

Com atuação forte no combate à exploração sexual, discriminação e violência contra a mulher, a Instituição Virada Feminina conta com grandes expoentes no Brasil e no mundo.

Leia Mais

Mais lidas