Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Filme de Silvino Santos, perdido por quase um século, é finalmente exibido no Teatro Amazonas após sua recuperação.

Filme do cineasta Silvino Santos, “Amazonas, o maior rio do mundo”, vai ser exibido no Teatro Amazonas. — Foto: Divulgação/Sec

“Filme perdido do cineasta Silvino Santos, ‘Amazonas, o maior rio do mundo’, será exibido no icônico Teatro Amazonas”

Após quase um século desaparecido, o filme do renomado cineasta Silvino Santos, intitulado “Amazonas, o maior rio do mundo”, finalmente será exibido no Teatro Amazonas, em Manaus. A tão aguardada projeção acontecerá nesta sexta-feira (29), às 20h, com entrada gratuita para o público. A descoberta da obra ocorreu este ano, na República Tcheca.

Considerado perdido desde a década de 30 do século passado, o ressurgimento desse filme lendário traz uma atmosfera especial para sua exibição no Teatro Amazonas. Encontrado recentemente na Cinemateca de Praga, na República Tcheca, o filme foi originalmente gravado em 1918, nas regiões do Pará, Amazonas e oriente Peruano.

A obra cinematográfica retrata uma viagem fluvial pelo rio Amazonas, explorando diversas localidades como Belém, campos do Marajó, Santarém, Itacoatiara, Manaus e o rio Putumayo.

Após uma década de exibições em diversos países europeus, o filme foi dado como perdido. No entanto, a confirmação da identidade da obra só ocorreu este ano, graças à pesquisa de doutoramento do amazonense Sávio Stoco, realizada na Universidade Federal do Pará.

“Em fevereiro deste ano, o curador inglês Jay Weissberg, responsável pelo Festival de Cinema Silencioso de Pordenone (Itália), entrou em contato comigo para avaliar alguns filmes sul-americanos encontrados no acervo da Cinemateca de Praga, onde ele estava realizando um levantamento para a programação deste ano”, revela Stoco.

Foi durante essa pesquisa que Stoco suspeitou que um dos filmes encontrados poderia ser a tão procurada obra perdida de Silvino Santos, intitulada “Amazonas, o maior rio do mundo”. A semelhança de algumas sequências com trechos conhecidos do filme “No paiz das Amazonas” reforçou ainda mais essa hipótese.

O pesquisador amazonense explica que essa suspeita se fortaleceu quando Jay Weissberg encontrou sua tese de doutoramento, na qual havia um capítulo específico sobre o filme perdido de Silvino Santos, contendo mais de 130 imagens e diversas descrições inéditas até então.

Apesar de os intertítulos do filme estarem em tcheco, com o título traduzido como “As maravilhas do Amazonas”, sem menção ao diretor ou país produtor, Stoco e Weissberg dedicaram meses para analisar cuidadosamente cada detalhe da obra. A troca de título também foi explicada na pesquisa do pesquisador amazonense, pois a tradução para o idioma local era necessária em cada país por onde o filme passava.

Sávio Stoco mostra entusiasmo com a exibição do filme no Teatro Amazonas, considerando a ideia maravilhosa. Ele ressalta que as sessões realizadas até o momento foram fundamentais para a consolidação crítica do significado dessa descoberta.

O filme já foi exibido em diversos locais após seu reencontro, incluindo Pordenone (Itália), República Tcheca, São Paulo (Cinemateca Brasileira), João Pessoa (Fest Aruanda), Belém (MIS-PA), Rio de Janeiro e Fortaleza. No entanto, Manaus tem um significado especial, pois foi lá que o filme foi idealizado e produzido por Silvino Santos ao longo de três anos. Para Stoco, o Teatro Amazonas é um verdadeiro museu e um farol iconográfico para todos os artistas da época de Silvino, incluindo o próprio cineasta.

“Em minha tese, apresento uma pintura pertencente à neta Evanize Kaneko, onde Silvino reproduziu o painel ‘As Garças’, um dos que decoram o Salão Nobre do Teatro Amazonas”, conta Stoco, lembrando também da belíssima sequência de garças e pássaros amazônicos presentes no filme.

Silvino Santos tinha o talento de evocar toda a tradição visual amazônica em suas obras, e o Teatro Amazonas é o lugar perfeito para celebrar essa tradição. A exibição do filme perdido será um momento histórico e emocionante para os amantes do cinema e da cultura amazônica.

Fonte: https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2023/12/28/apos-quase-100-anos-perdido-filme-de-silvino-santos-e-exibido-pela-primeira-vez-no-teatro-amazonas.ghtml