Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Hapvida emite nota oficial desmentindo Comissão de Licitação da Câmara Municipal de Manaus

Hapvida esclarece irregularidades em licitação na Câmara Municipal de Manaus

A Hapvida Assistência Médica S.A. divulgou uma nota para esclarecer os fatos relacionados à sua descredenciação no Pregão Presencial n° 23/2023 da Licitação na Câmara Municipal de Manaus, que aconteceu na manhã de ontem, quinta-feira (11/01/2023). Contrariando a versão apresentada pela Comissão de Licitação da Câmara, a operadora afirma que foi descredenciada devido à negativa da comissão em aceitar um documento de representação com assinatura eletrônica, alegando a necessidade de reconhecimento de firma.

No entanto, a Hapvida argumenta que o documento em questão atendia a todas as exigências da Medida Provisória nº 2.200-2, de 24 de Agosto de 2001, que instituiu a ICP-Brasil, e com a verificação de autenticidade da assinatura eletrônica no site da certificadora digital, dispensando a necessidade de reconhecimento em cartório. De acordo com a operadora, a situação poderia ter sido resolvida através de diligência, conforme previsto na Lei nº 8.666/93, mas essa opção foi negada pelo pregoeiro.

A Hapvida destaca que essa recusa em permitir a participação da operadora na licitação configura uma clara irregularidade, cerceando seu direito de licitar e violando o princípio da legalidade, estabelecido no artigo 37 da Constituição Federal. Além disso, a nota da Câmara Municipal de Manaus contradiz o que está registrado em ata pela própria Comissão de Licitação, que menciona o descumprimento do ITEM 5.5 do Edital como motivo para o não credenciamento da Hapvida.

A operadora ressalta a importância de seguir as normas técnicas e legais que regem o Direito Administrativo na realização de licitações, garantindo assim uma atuação imparcial, idônea e justa, em busca da melhor proposta. A negativa de credenciamento da Hapvida afetou diretamente sua participação na etapa de lances, comprometendo sua habilitação jurídica.

É importante ressaltar que, ao deixar de oferecer uma proposta mais vantajosa para seus servidores, a Administração Pública feriu o interesse público ao não permitir a realização da etapa de lances. Porém, de forma arbitrária, consta em ata a abertura do envelope de proposta da Hapvida, mesmo após sua descredenciação. Isso evidencia que o preço da operadora vencedora é consideravelmente superior ao da Hapvida, cerca de 250% maior, e que a Comissão de Licitação ignorou as diversas irregularidades nos documentos dessa operadora.

Além disso, a Hapvida destaca que, desde o início do Pregão, a Comissão de Licitação tratou as licitantes de forma desigual, desrespeitando o princípio da isonomia previsto na Constituição. Esse princípio proíbe qualquer tipo de discriminação, tratando todos de forma igualitária, mesmo levando em consideração as desigualdades existentes.

A operadora ainda relata que o Pregoeiro teve uma conduta desrespeitosa e arbitrária durante toda a sessão, gritando e desrespeitando a representante da Hapvida, indo contra as regras básicas do processo licitatório, como descrito em ata.

A Hapvida reafirma seu compromisso com a Administração Pública e com a prestação de serviços de excelência aos seus contratantes, buscando sempre garantir a lisura nos processos licitatórios.

Fonte: https://cm7brasil.com/noticias/politica/hapvida-emite-nota-desmentindo-comissao-de-licitacao-da-camara-municipal-de-manaus-veja/