Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Hapvida lidera ganhos do Ibovespa e reconquista confiança dos analistas; saiba mais

Manaus – A decepção do mercado financeiro com o balanço do quarto trimestre de 2022 da Hapvida (HAPV3) fez com que a companhia entrasse em um novo momento de vida, mas hoje (24), as ações da empresa lideram as altas do Ibovespa, após o BTG Pactual elevar a sua recomendação dos papéis para compra, revertendo o pesadelo das últimas semanas e a queda de mais de 40% no ano.

A forte queda no valor das ações nos últimos meses escancarou a desconfiança dos investidores com os planos da operadora de saúde — principalmente com relação à capacidade de sinergias com a NotreDame Intermédica e o real diagnóstico do caixa da companhia. Não à toa que boa parte dos bancos de investimento e casas de análise rebaixaram os papéis ou suspenderam a cobertura.

Com uma crise de confiança entre a gestão da Hapvida e o mercado, os executivos correram para tentar resolver a situação da melhor forma possível sem que fosse necessário esperar por uma melhora operacional se refletir no balanço dos três primeiros meses de 2023 — e a solução encontrada foi uma oferta de ações e a venda de ativos na modalidade sale and leaseback.

A oferta secundária de ações levantou cerca de R$ 1,06 bilhão, enquanto a venda dos ativos adicionou mais R$ 1,25 bilhões. Além disso, a segunda operação foi feita de forma bem vantajosa para a Hapvida — a família fundadora garantiu a compra e voltou a locar os mesmos ativos para a própria Hapvida.

A injeção de dinheiro é o ponto-chave na melhora da visão do mercado para a companhia.

Para o BTG, o aumento de capital recente é o suficiente para retomar a recomendação de compra e elevar o preço-alvo dos papéis para R$ 6, um potencial de alta de 131%. Isso porque, apesar das fortes dificuldades vistas no curto prazo, a posição de caixa dá mais conforto aos analistas.

As demais mudanças esperadas pelo mercado devem ser mais gradativas. Nos próximos trimestres, a pressão de curto prazo permanece, mas há expectativas para a melhora de margem da companhia e também um avanço na precificação dos planos e uma redução na sinistralidade.

Apesar da melhora de perspectiva para a companhia, os desafios permanecem — não deve haver um saldo positivo de adição de vidas tão cedo, assim como dificuldades em termos de captura de sinergias devem seguir existindo.

Para os analistas do BTG, ainda é preciso ter mais sinais de que a reestruturação está no caminho certo antes de se tornar mais otimista com a tese de investimento.

ALCANCES – Na semana passada, logo após a Hapvida encerrar a sua nova oferta de ações, os analistas do Itaú BBA também voltaram a cobrir os papéis e recomendar compra.

A visão do Itaú é muito semelhante à do BTG. Para eles, o risco precificado de uma eventual insolvência foi afastado, mas é preciso notar que as dinâmicas pós-covid — de sinistralidade alta e dificuldade no repasse de preços — deve seguir pressionando o balanço no curto prazo.

Para o primeiro trimestre do ano, as projeções seguem conservadoras, sem grandes expectativas de melhora. Para os analistas do banco, ainda é cedo para ver uma melhora no tíquete médio da companhia, assim como a adição de novas vidas.

Mas apesar dos desafios do curto prazo, a melhora da estrutura de capital recente, ainda que seguindo um modelo mais conservador, já é o suficiente para ver o patamar atual das ações como atrativo, já que negocia abaixo da média histórica. Na estimativa do Itaú BBA, o preço-justo para as ações é de R$ 4,5, um potencial de alta de 80%.