Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Mais uma cidade do Amazonas sofre com seca histórica, após Manaus

Rio Solimões atinge seca histórica em 2023 em Manacapuru, no Amazonas. Foto feita em 18 de outubro de 2023 — Foto: Adauto Silva/Rede Amazônica

Manacapuru, no Amazonas, registra nível mais baixo do Rio Solimões em 55 anos. A cidade é a segunda no estado a enfrentar uma seca recorde, com o Rio Negro também atingindo seu pior nível em 121 anos, em Manaus.

Na terça-feira (17), as águas barrentas do Baixo Solimões ultrapassaram o recorde de 2010, com o rio atingindo apenas 3,81 metros. O Serviço Geológico Brasileiro (SGB), antigo CPRM, divulgou que o rio continuou a baixar mais 9 cm nesta quarta-feira (18), estando agora em 3,70 metros.

De acordo com o SGB, essa é a pior seca já registrada em Manacapuru desde que o Rio Solimões começou a ser monitorado na cidade em 1968. Anteriormente, a pior seca havia sido em 2010, quando o rio baixou para 3,92 metros.

O Rio Solimões é uma das principais bacias do Amazonas e passa por 24 cidades do estado. Todas elas estão em situação de emergência devido à seca histórica de 2023, de acordo com a Defesa Civil do Amazonas.

Em Tabatinga, no Alto Solimões, o rio atingiu -0,50. As águas nesse local estão próximas à nascente do Solimões, localizada no Peru, uma vez que a cidade amazonense faz fronteira com o país vizinho. Houve indícios de aumento no nível do rio nessa região, com a menor marca registrada sendo -75 cm na segunda-feira (16). Esse aumento pode ter reflexos em outras regiões, incluindo o Rio Negro, que recebe 70% de sua água do Solimões e enfrentou a pior seca em 121 anos. A pesquisadora do SGB, Jussara Cury, afirma que os efeitos desse aumento só serão sentidos em novembro.

Em Manaus, o Rio Negro atingiu seu pior nível em 121 anos na segunda-feira, quando registrou apenas 13,59 metros no Porto de Manaus. Nesta quarta-feira (18), o nível está em 13,38 metros.

Fonte: https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2023/10/18/depois-de-manaus-mais-uma-cidade-do-amazonas-registra-seca-historica.ghtml