Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Polícia Federal investiga e Abin exonera três servidores

Ex-Secretário de Planejamento e Gestão da Abin exonerado por envolvimento em grampos ilegais

Na última terça-feira, 24, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) tomou uma atitude drástica ao exonerar o Secretário de Planejamento e Gestão, Paulo Maurício Fortunato, após uma investigação da Polícia Federal revelar seu envolvimento em grampos ilegais. Além dele, outros dois diretores também foram afastados de seus cargos.

A Polícia Federal está conduzindo uma investigação abrangente sobre o uso de grampos ilegais e monitoramento de figuras públicas, incluindo jornalistas, advogados, políticos e ministros do Supremo Tribunal Federal. Essa ação é uma clara violação dos direitos individuais e constitucionais dos envolvidos.

Com a decisão da Abin, os exonerados voltarão a ocupar seus cargos de carreira, porém sem exercer funções de chefia, e terão que responder a processos administrativos. Essa é uma medida importante para responsabilizar os indivíduos envolvidos e garantir a devida punição pelos seus atos.

Ao longo do período entre 2018 e 2020, estima-se que cerca de 30 mil pessoas foram monitoradas ilegalmente. Surpreendentemente, a PF descobriu que os dados dessas ações foram apagados com o intuito de obstruir a investigação. Até o momento, apenas 1.800 casos foram identificados.

Uma revelação chocante é que a Agência Brasileira de Inteligência utilizou a tecnologia FirstMile, de origem israelense, para realizar essas atividades ilegais de espionagem. Alvos como ministros do STF e possíveis opositores do governo de Jair Bolsonaro eram monitorados sem qualquer tipo de autorização legal, revelando uma clara violação da privacidade e dos direitos fundamentais.

A exoneração do Secretário de Planejamento e Gestão da Abin, juntamente com os demais diretores, é um passo importante na busca por justiça e transparência. A população espera que todos os responsáveis sejam devidamente responsabilizados pelos seus atos ilícitos, garantindo a preservação dos direitos individuais e a manutenção do Estado de Direito no país.

Fonte: https://www.diariodacapital.com/materias/abin-exonera-tres-servidores-investigados-pela-policia-federal