Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Seca recorde afeta porto que atende Zona Franca de Manaus, que fica mais de um mês sem receber navios cargueiros

Navio Izmir da MSC atraca no Super Terminais em Manaus durante a seca histórica de 2023 — Foto: Super Terminais

A seca recorde afeta a navegação no Rio Amazonas e tem consequências preocupantes para o transporte de cargas na região. O Super Terminais, um porto privado essencial para atender à Zona Franca de Manaus (ZFM), ficou parado por mais de um mês, sem receber navios cargueiros.

A situação de estiagem é alarmante em grande parte do estado do Amazonas, com 59 dos 62 municípios em situação de emergência, incluindo a capital Manaus.

Localizado no bairro Colônia Oliveira Machado, na Zona Sul de Manaus, o Super Terminais ficou sem receber navios desde o dia 19 de setembro. Após mais de um mês de espera, apenas um navio conseguiu atracar no porto, o Izmir, da MSC, que transportava apenas 10% de sua capacidade de carga.

No último sábado (21), o navio Izmir chegou ao porto com 140 contêineres abastecidos com insumos para a Zona Franca de Manaus. Esta semana, partiu de Manaus com 110 contêineres abastecidos.

Marcello Di Gregorio, diretor do Super Terminais, explicou que a operação foi extremamente complexa. Segundo ele, o navio Izmir possui características especiais, sendo menor do que os navios convencionais, o que permitiu que ele passasse pelas áreas mais críticas do rio. Diversos cálculos foram necessários para garantir o sucesso desta operação.

Segundo Gregorio, as secas normalmente afetam o transporte de cargas, mas não impedem a navegação. Geralmente, nessa época, os navios que chegam a Manaus têm sua capacidade reduzida em cerca de 40%. No entanto, devido à seca histórica deste ano, a situação é um pouco mais preocupante.

Em condições normais, mesmo durante a seca, o Super Terminais recebe uma média de cinco navios por mês.

De acordo com Gregorio, antes de chegar a Manaus, os navios precisam passar por dois trechos críticos. Um deles é o trecho conhecido como Tabocal, que fica no Rio Amazonas, próximo à cidade de Itacoatiara. Nessa região, os navios transportam insumos essenciais para a Zona Franca de Manaus. O outro trecho problemático fica na foz do Rio Madeira, também próximo de Itacoatiara.

Muitos navios têm encontrado dificuldades para passar por esses trechos e acabam ficando pelo caminho.

Gregorio ressaltou que, apesar da seca histórica, a profundidade da água no Super Terminais é favorável, facilitando as operações de atracagem. O problema principal está na passagem dos navios na Foz do Rio Madeira e no Tabocal. Se não fossem esses obstáculos, o porto estaria operando normalmente.

Especialistas e parceiros consultados pelo Super Terminais estimam que o nível dos rios pare de baixar nos próximos 20 dias. Com isso, espera-se que as condições melhorem em Manaus e que a navegação volte a fluir normalmente.

Fonte: https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2023/10/26/com-seca-recorde-porto-que-atende-zona-franca-de-manaus-fica-mais-de-um-mes-sem-receber-navios-cargueiros.ghtml